O Filho Está no Centro (The Child is in the Centre)

0
foto 12/ Flavia Ghelardi

Photo courtesy of the author. All rights reserved.

A Família de Nazaré é o grande modelo e ideal para todas as famílias. É nela que nós devemos nos espelhar para vivermos o nosso dia a dia. Na Família de Nazaré, o filho sempre está no centro. Observa-se na narrativa da fuga para o Egito (Mt 2, 13 e ss), que José e Maria prontamente seguem para uma terra estranha tendo na mente sempre o cuidado com o filho, não importando quantos sacrifícios sejam exigidos. Depois permanecem o tempo necessário, vivendo em condições muito difíceis, até que o filho não corra mais perigo e possam voltar para sua terra natal. A preocupação pelo bem do filho está sempre em primeiro lugar.

Em nosso papel de pais, podemos dizer que responsabilidade pelo cuidado do filho abrange três aspectos: o bem estar corporal, o bem estar psíquico/intelectual e a vida religiosa. Esta responsabilidade não pode ser delegada a outras instituições como a Igreja ou a escola, sendo própria dos pais.

Como pais não podemos nos limitar a sermos simples fornecedores de bens econômicos, mas devemos ser verdadeiros educadores de nossos filhos e isto exige um alto grau de sacrifício e de autoeducação. Tudo o que irromperá, no futuro, na vida do filho se fundamenta dentro da família.

Pai e mãe precisam estar sintonizados no mesmo ideal: ter como objetivo principal o cuidado e a educação do filho. Evidentemente isto não significa fazer todas as vontades do filho, ou torná-lo um verdadeiro tirano do lar; mas todas as decisões que envolvem a família devem ser tomadas tendo como em primeiro lugar o bem estar dos filhos.

“Procuro minha grandeza no bem estar dos filhos. Para isso eu vivo e morro. O resto deixo andar. Esta é a paternidade genuína, a maternidade genuína, e é isto que devemos fazer. (…) Devemos sintonizar-nos impulsivamente com o ideal, para o qual desejamos educar os filhos. Isto é algo tão grandioso.”(Pe. José Kentenich)

O filho é, em primeiro lugar, filho de Deus e os pais são os responsáveis pelo cuidado desta alma imortal e depois deverão prestar contas a Deus da educação que proveram a seus filhos. Nós não somos “donos” do filho, pois o filho pertence a Deus. Como filho de Deus, a criança demanda todo o respeito, o carinho e o cuidado e qualquer negligência nestes aspectos, afeta negativamente sua personalidade e até mesmo a salvação da sua alma no futuro.

Ter o filho sempre no centro das ocupações dos pais significa buscar ser uma pessoa melhor, um pai e uma mãe mais santos, pelo bem do filho, para que ele, olhando o exemplo dos pais, também consiga vencer suas limitações e se tornar um verdadeiro filho de Deus.

Tudo o que o pai e a mãe fizerem, devem fazer pensando no filho. Quanto maior for a qualificação moral dos pais, mais dotes transmitirão para os filhos. Por isso os pais devem ser incansáveis na busca de seu aperfeiçoamento pessoal, na educação de seu temperamento, na valoração de suas qualidades e mitigação de seus defeitos. Todo este trabalho de autoeducação refletirá positivamente na vida e na educação do filho.

Como pode funcionar isso na prática? Por exemplo: se o filho é muito bagunceiro, não deixa nada em ordem, não consegue organizar seus afazeres, então em primeiro lugar o pai e a mãe devem se perguntar se eles mesmos não possuem este tipo de dificuldade em suas próprias vidas, se também não tem algo de desordem no seu dia-a-dia.

Então, devem primeiro lutar consigo mesmo para conseguir vencer esta dificuldade, para então cobrar do filho a ordem e a disciplina. Desta forma, a educação realmente alcançará resultado e não ficará apenas “da boca pra fora”.

Portanto, o ideal da Família de Nazaré mostra que o filho deve estar sempre em primeiro lugar na família, se transformando na principal ocupação dos pais, através do seu esforço constante para vencer em si mesmos as imperfeições de seus filhos e assim prepará-los para um dia, chegar ao Céu.

The Child is in the Centre

The role model and ideal for all families is the Family of Nazareth. We should always look there for a model to reflect in our daily lives. In the Family of Nazareth the child is always in the centre. We can observe in Matthew 2, when they flee to Egypt, that Joseph and Mary readily go to a foreign land because first in their minds is always care for the child, no matter how many sacrifices are demanded. Then they stay there the necessary time, living in very difficult conditions, until the child is no longer in danger and they can come back to their homeland. The concern for the child’s well-being is always first.

In our role as parents, we can say that care for the child has three aspects: the well-being of the body, the well-being of the mind/intellect, and the religious life. This responsibility can’t be given to other institutions such as the Church or the school, because it belongs to the parents.

As parents we can’t limit ourselves to being just givers of material goods, but we should be truly educators of our children and that demands a high degree of sacrifice and self-education. Everything that will occur, in the future, in the life of the child is grounded within the family.

Father and mother should be tuned in the same ideal: having as the main goal the care and education of the child. Obviously that doesn’t mean to do everything the child wants, or making her a real tyrant of the home, but all the decisions that involves the family should be made with the well being of the child in first place.

“I look for my greatness in the well being of the children. For that I live and die. The rest, I let it be. This is the true paternity, the true maternity, and this is what we should do. (…) We should tune ourselves impulsively to the ideal in which we want to educate our children. This is something really great.” (Fr. Joseph Kentenich)

The child is, first of all, child of God and the parents are responsible for the care of this immortal soul and they will have to be accountable to God for the education they provided to their children. We don’t “own” our child, because he belongs to God. As a son of God, the child demands all respect, affection and care–and any negligence in those aspects negatively affects his personality and even the salvation of his soul in the future.

Having the child always in the centre of the parent’s preoccupations means trying to be a better person, a better father and a better mother, a holier father and a holier mother, for the sake of the child, so he, looking at his parents’ example, also manage to beat his limitations and become a true son of God.

Everything the parents do, they should do thinking of their child. The higher the moral qualification of the parents, more gifts they will pass on to their children. Therefore the parents should be unremitting in the search for their personal improvement, in the education of their temper, in the valuation of their qualities and in the mitigation of their defects. All this work of self-education will reflect positively in the life and education of the child.

How can this work in practice? For example: if the child is very messy, doesn’t leave anything in order, and can’t organize his duties, first of all the father and the mother should ask themselves if them also don’t have this kind of difficulty in their own lives, if they also have some kind of disorder in their daily lives. Then, they should push themselves first to conquer this difficulty, and only after doing so request from the child order and discipline. This way, education will really achieve a good result.

Therefore, the ideal of the Family of Nazareth shows that the child should be always in the first place in the family, becoming the main occupation of the parents, through their constant effort to beat in themselves their children’s imperfections and so prepare them to, one day, reach Heaven.

Copyright 2015 Flávia Ghelardi
Photo courtesy of the author. All rights reserved.

Share.

About Author

Flávia Ghelardi is the mom of four, a former lawyer and now an embarking on adventures in writing. Flávia published her first ebook FORTALECENDO SUA FAMÍLIA and is a constant contributor for the Brazilian Catholic magazine TABOR EM PAGINAS. A member of Schoenstatt´s Apostolic Movement, Flávia loves to speak and give lectures about motherhood and the important role of women, as desired by God, for our society. She blogs at www.fortalecendosuafamilia.blogspot.com.

Leave A Reply

Notify me of followup comments via e-mail. You can also subscribe without commenting.