Fé Prática na Divina Providência (Practical Faith in Divine Providence)

0
Detail from cover of novena booklet titled "Mensagem da Fé Prática na Divina Providência." Photo by author.

Detail from cover of novena booklet titled “Mensagem da Fé Prática na Divina Providência.” Photo by author.

Todos recebemos o dom da fé pelo Batismo, mas ela é só uma semente, precisamos desenvolve-la no decorrer de nossa vida. Para isso, precisamos conhecer as verdades da fé, aquilo no qual acreditamos e principalmente a pessoa na qual depositamos nossa fé.

Mas não se trata apenas de um conhecimento intelectual, mas de uma vivência, de um verdadeiro encontro com Jesus, o nosso, o meu Salvador. Precisamos aumentar sempre a consciência de que Jesus não só salvou toda a humanidade, mas Jesus salvou a mim! A oração e a frequência ao sacramentos, especialmente a Eucaristia, onde Jesus se dá a mim e deseja se tornar um só comigo e a Confissão, onde ele mesmo perdoa os meus pecados, são a chave para que nossa fé cresça e amadureça.

Possuir uma fé prática na Divina Providência significa que eu acredito que Deus é Pai, Deus é bom e bom é tudo aquilo que ele faz e permite. Eu sei que tudo aquilo que acontece em minha vida faz parte de um plano de amor que ele executa com infinita sabedoria, poder e misericórdia. O grande objetivo que Deus tem para a minha vida é que um dia eu esteja com ele no Céu, gozando das glórias do Paraíso. E tudo aquilo que acontece em minha vida, tem por trás esse plano de amor de Deus.

Deus está sempre tentando se comunicar conosco, mas muitas vezes não conseguimos escutar a sua voz. Ele nos fala através dos acontecimentos, não só na nossa própria vida, mas todos os acontecimentos da história, no mundo inteiro. Ele deseja que sejamos seus cooperadores livres para construir a história conosco. Devemos buscar interpretar esses sinais através dos quais Deus nos fala. Guiados pela luz da fé, devemos tentar entende-los, aprendendo a distinguir sua voz.

O “filho da Providencia” pergunta em todas as situações: “Pai, o que quer que eu faça? Qual é a sua vontade?” A atitude providencialista consiste na constante busca filial da vontade de Deus Pai e na disposição permanente em realizar esta vontade, mesmo que custe pesados sacrifícios.

Para descobrir a vontade de Deus devemos aprender a escutar as vozes do tempo (o que Deus nos diz através das circunstancias), as vozes da alma (o que Deus nos diz através de nossa consciência, aquilo que o Espírito Santo sussurra em nosso coração) e as vozes do ser (o que Deus nos diz através de sua Palavra e das leis naturais)

Como fazer isso na prática? Através da meditação diária dos acontecimentos da sua vida. Não podemos achar que tudo (trabalho, família, saúde) é “natural”, tudo devemos agradecer a Deus. Meditar, no sentido em que entendemos aqui, não consiste em refletir, analisar ou aprofundar o conhecimento sobre uma realidade religiosa por meio do estudo. Seu objetivo não é saber mais ou conhecer mais, mas amar mais. O objetivo da meditação não se centra na aquisição de novos conhecimentos, mas do aprofundamento de nosso vínculo de amor pessoal com Deus.

No próximo post falarei mais detalhadamente sobre como colocar em prática essa meditação que nos ajuda a possuir uma fé prática na Divina Providência. Porém, apenas para dar uma dica, podemos sempre fazer três perguntas frente a um acontecimento em nossa vida:

a) O que Deus quer me dizer com isso?

b) O que devo dizer a mim mesmo? Trata-se de um tipo de exame de consciência: como compreendi esta verdade em minha vida? Como a aproveitei? Como a apliquei?

c) O que digo a Deus? Isto é o principal: que aprendamos a dialogar com Deus, que cultivemos uma vida mais profunda e interior, uma comunhão a dois com Deus.

Com essas respostas, aos poucos, nosso amor e vinculação a Deus aumentam, nossa confiança de que somos pessoalmente cuidados por um pai amoroso também crescem e experimentamos cada vez mais uma paz interior que nem as maiores tribulações podem nos tirar.

Practical Faith in Divine Providence

We all received the gift of faith in our Baptism, but it is only a seed; we need to develop it in the course of our life. To do that, we should know the truths of our faith, what we believe and especially the person in whom we put our faith.

But it isn’t only about an intellectual knowledge, but an experience, a true encounter with Jesus, our Savior. We need to always increase the consciousness that Jesus not only saved all humankind, but Jesus saved me! Prayer and the sacraments, especially Eucharist, where Jesus give himself to me and wishes to become one with me; and Confession, where he himself forgive my sins, are the keys for our faith to grow and mature.

To have practical faith in Divine Providence means that I believe that God is Father, God is good and good is everything he does and permits. I know that everything that happens in my life is part of a love’s plan that he executes with infinite wisdom, power and mercy. The great goal that God has for my life is that one day I can be with him in Heaven, enjoying the glories of Paradise. And everything that happens in my life has this love’s plan behind it.

God is always trying to communicate with us, but many times we can’t hear his voice. He speaks through the events, not only of my own life, but through all the events of the history, of the whole world. He wishes that we can be his free cooperators to build history. We should try to interpret these signs through which God speaks to us. Guided by the light of the faith, we should try to understand them, learning to distinguish his voice.

The “child of Providence” asks himself in all situations, “What does the Father wish me to do? What is his will?” The providentialist attitude consists of the search for God’s will and in the permanent disposal to accomplish this will, even if it costs great sacrifices.

To discover God’s will we should learn to listen to the voices of the times (what God says through circumstances), the voices of the soul (what God tell us through our conscience, what the Holy Spirit whispers in our heart) and the voices of the being (what God tell us through Scripture and natural law).

How can we do that in practice? Through daily meditation of the events of your life. We can’t think that everything (work, family, health) is “natural;” we should thank God for it all. To meditate, in the way I mean here, doesn’t consist in reflecting, analyzing or deepening our knowledge about a religious reality through study. The goal is not to know more, but to love more. The objective of meditation is not centered in the acquisition of new knowledge, but deepening our bond of personal love with God.

In my next post I will talk, in detail, about how to practice this kind of meditation that help us to have a practical faith in Divine Providence. However, we can always ask three questions when facing an event in our lives:

  1. What does God want to tell me?
  2. What should I tell myself? It is a kind of self-examination: how did I understand this truth in my life? How did I avail myself of it? How did I apply it?
  3. What do I tell God? This is the most important: that we learn how to dialogue with God, that we cultivate a deeper and interior life, a communion with God.

With those answers, little by little, our love and bond with God will grow, our trust that we are personally nurtured by a loving father will also grow and we will experience increasingly an inner peace that not even the great tribulations can take away from us.


Copyright 2016 Flávia Ghelardi

Share.

About Author

Flávia Ghelardi is the mom of four, a former lawyer and now an embarking on adventures in writing. Flávia published her first ebook FORTALECENDO SUA FAMÍLIA and is a constant contributor for the Brazilian Catholic magazine TABOR EM PAGINAS. A member of Schoenstatt´s Apostolic Movement, Flávia loves to speak and give lectures about motherhood and the important role of women, as desired by God, for our society. She blogs at www.fortalecendosuafamilia.blogspot.com.

Leave A Reply

Notify me of followup comments via e-mail. You can also subscribe without commenting.