O Ser da Mulher (The Being of the Woman)

2

womanA mulher foi criada por Deus, a partir da “costela de Adão”, para ser “coração” e auxiliar permanente do homem no governo da Criação[1]. Assim, homem e mulher criados à imagem e semelhança da Santíssima Trindade são iguais em dignidade, porém diferentes em sua psicologia e em sua missão perante a sociedade. Foram criados para se complementarem, formando uma unidade, “uma só carne” e desta forma unidos, cada um cumprindo seu papel, poderão ser plenamente felizes.

Atualmente, as mulheres enfrentam muitos desafios e o maior deles é justamente saber qual é a sua função, a sua missão na sociedade de hoje. A busca do equilíbrio para ser esposa, mãe, profissional, filha, irmã, amiga; a luta por uma “igualdade” no mundo do trabalho; a super exposição do corpo e a utilização da força da sedução como “arma” para conseguir o que deseja; o anseio pela maternidade e ao mesmo tempo o receio de ser mãe, de precisar abrir mão de “suas conquistas” para cuidar de um filho; a cobrança cada vez maior para produzir, para ganhar dinheiro, para ser independente.

Portanto é urgente que a mulher assuma realmente sua responsabilidade em ser feminina, em ser mãe, pois segundo as palavras de São Bernardo “o homem não será remido sem a mulher”.[2] Se a mulher se conscientizar de sua função primordial na sociedade atual, ela poderá contribuir imensamente para que o mundo seja mais justo e mais fraterno.

“Mas a hora vem, a hora chegou, em que a vocação da mulher se realiza em plenitude, a hora em que a mulher adquire no mundo uma influência, um alcance, um poder jamais alcançados até agora. Por isso, no momento em que a humanidade conhece uma mudança tão profunda, as mulheres iluminadas pelo espírito do Evangelho podem ajudar muito para que a humanidade não decaia.” João Paulo II, Carta Apostólica sobre a Dignidade e a Vocação da Mulher.

Ao se contemplar a Santíssima Trindade pode-se observar que o seu membro mais “feminino” é o Espírito Santo, que corporifica o amor entre o Pai e o Filho, sendo assim, a mulher, ao ser criada como imagem e semelhança de Deus Trino, é a semelhante ao Espírito Santo, que é o Amor.

Portanto, a grande riqueza da mulher é ser a terra fértil para semear o amor, fazer brotar o amor e distribuir o amor para toda a humanidade. O ser feminino orientado para o amor deve ser sempre cultivado e desenvolvido pela mulher, para equilibrar o ser masculino que é voltado mais para a razão e a realização. Sem este equilíbrio o mundo se tornará cada vez mais frio e desumano.

Um dos grandes problemas da atualidade é que a mulher, ao buscar ser reconhecida pela sociedade, se “masculinizou”, procurando imitar o ser do homem, pois imaginava que se fosse igual ao homem, teria o merecido reconhecimento.  Todavia, ao invés de conduzir a “libertação” buscada pelas mulheres, o agir como homem só trouxe mais escravidão, sentimento de culpa e infelicidade para as mulheres e para aqueles que convivem com elas, maridos, filhos, familiares e a sociedade em geral.

 ALGUNS TRAÇOS DA PSICOLOGIA FEMININA

A comunicação é fundamental para o ser feminino. A mulher tem necessidade de se expressar através da conversa, da troca de experiência. “A comunicação é de importância primordial. Dividir seus sentimentos pessoais é muito mais importante do que atingir metas e sucesso. Conversar e se relacionar umas com as outras é fonte de imensa satisfação.(…) Em vez de serem orientadas para metas, as mulheres são orientadas para relacionamentos; elas estão mais preocupadas com a expressão da sua bondade, do seu amor e da sua atenção.”[4]

A forma como a mulher lida com o estresse é a conversa. Quando a mulher está com um problema, ela se torna progressivamente indefesa e emocionalmente envolvida, assim ela se sente melhor conversando sobre o problema.[5]A imaginação feminina nestas horas pode ser uma grande vilã, pois potencializa o problema e ela pode entrar em uma espiral decadente e não conseguir encontrar a solução.

homem ouvindo (1)Nestas ocasiões, homem pode ajudar muito e a forma de fazer isso é aprender a escutar. A maior dificuldade para o homem no momento de escutar sua mulher é que ele busca sempre encontrar e sugerir soluções para o problema, pois acredita que é isso que ela procura. Sua mentalidade masculina é mais voltada para a praticidade e objetividade, então quer sempre ajudar ofertando a solução.

Porém, para a mulher esta atitude é um verdadeiro desastre. “Uma mulher sob estresse não está preocupada em achar soluções imediatas para seus problemas, mas sim busca alívio expressando-se e querendo ser compreendida. (…) Conversando sobre todos os problemas possíveis sem se concentrar na sua resolução, ela se sente melhor. Explorando seus sentimentos nesse processo, ela ganha uma consciência maior do que a está realmente incomodando, e então repentinamente ela não está mais tão indefesa.”[6]

Escutar com empatia, isto é que a mulher necessita nos momentos mais tensos. Para isso, o homem deve simplesmente ouvir sem tentar resolver nenhum dos problemas apresentados. Comentários do tipo: “nossa, que pena!”; “imagino como está difícil!”; “meu Deus, que situação complicada!” são fundamentais para que a mulher se sinta realmente compreendida pelo homem. Caso fique na dúvida do que falar, o melhor comentário que pode fazer é: “humm…”

Depois que a mulher se acalmou contando seus vários problemas (reais ou imaginários) e o homem reagiu empaticamente ouvindo sem prover as soluções, aí sim ele pode emitir a sua opinião sobre o problema, caso seja necessário, auxiliando sua esposa a enxergar o que é real e o que é fruto de sua imaginação sempre fértil.

Em contato com a alma do homem, calma e ponderada, a mulher encontra seu equilíbrio e poderá recolher os elementos que servirão de contrapeso para os impulsos bastante ardentes de uma imaginação.

Sendo assim, o marido deve aprender a enriquecer, com seu equilíbrio, a alma da esposa, lhe manifestando uma ternura que deverá ser mais carinhosa, compreensiva e receptiva. Nela a mulher terá o complemento de que tem necessidade para aperfeiçoar-se, tornando-se sadia e equilibrada.

[1] Gn 2, 20-22

[2] “A dignidade da mulher” – Herança do Tabor 5, Palestras do Pe. José Kentenich proferidas no Brasil de 1948 a 1952, pg. 8, publicado pelas Irmãs de Maria de Schoenstatt – Centro Mariano, Santa Maria, 1995

[3] Tópico baseado no livro “Obras do Padres Charbonneau – O noivado”,  CHARBONNEAU, Paul-Eugène, CSC, Vol. I, Editora Herder, Edição da CODIL, São Paulo, 1965

[4] Idem pgs. 28-29

[5] Idem pg. 40

[6] Idem pg. 47

The Being of the Woman

woman

The woman was created by God, from the “Adam’s rib,” to be the “heart” of the creation and the permanent help of the man in the government of the Creation[1]. Therefore, man and woman, created the image and similarity of the Holy Trinity, are equal in dignity, although different in theirs psychology and mission in the society. They were created to complement each other, forming one unity, “one flesh,” and in this way united, each one fulfilling their part, can be completely happy.

Nowadays, women face many challenges and the biggest one is to know what is her function, her mission in today’s society. The search for balance to be wife, mother, professional, daughter, sister, friend; the struggle for an “equality” in the professional world; the overexposure of the body and the utilization of the seduction force like a “weapon” to get what she wants; the longing for maternity and the same time the fear to be a mother, to need to give up “her achievements” to take care of a child; the growing charge to produce, to make money, to be independent.

So it’s urgent that the woman really assumes her responsibility in being feminine, in being a mother, because, in the words of Saint Bernard, “the man won’t be redeemed without the woman”. [2] If the woman has awareness of her primordial function in today’s society, she will be able to immensely contribute for the world to be more just and more fraternal.

“The hour is coming, in fact has come, when the vocation of women is being acknowledged in its fullness, the hour in which women acquire in the world an influence, an effect and a power never hitherto achieved. That is why, at his moment when the human race is undergoing so deep a transformation, women imbued with a spirit of the Gospel can do so much to aid humanity in not falling.” Mullieris Dignitaten John Paul II

While contemplating the Holy Trinity we can see that its most “feminine” member is the Holy Spirit, which embodies the love between the Father and the Sun, so, the woman, as she was created the image and similarity of Trine God, is the resemblance of the Holy Spirit, that is Love.

Therefore, the biggest richness of the woman is being a fertile land to sow love, to bring out love and to distribute love to all mankind. The feminine being oriented to love must always be cultivated and developed by the woman, to balance the masculine being, that is turned more for the reason and realization. Without this balance the world will become even more cold and inhumane.

One of today’s biggest problem is that the woman, in the search to be recognized by the society, “masculinized” herself, trying to imitate the male being, because she imagined that if she was equal to the man, she would have the deserved recognition. However, instead of leading the “freedom” searched by women, acting like a man only brought more slavery, feeling of guilt and unhappiness for the women and for those that live with them: husbands, children, family and the whole society.

Women’s Psychology

Communication is fundamental to the female being. The woman has the need to express herself through conversation, the exchange of experience. “The communication has primordial importance. Share her personal feelings is much more important than achieving goals and success. To talk and to relate with each other is a big fountain of satisfaction (…) Instead of being oriented to goals, women are oriented to relationships; they are more concerned with the expression of their kindness, their love and their attention”[3]

The way a woman deals with stress is the conversation. When a woman has a problem, she becomes progressively helpless and emotionally involved, this way she feels better talking about the problem.[4] The feminine imagination in those times can be a great villian, because it potentiates the problem and she can enter in a descendent spiral and won’t be able to find a solution.

homem ouvindo (1)

In these occasions, the man can help a lot and the way of doing it is learning how to listen. The biggest difficulty for the man in the moment of hearing his woman is that he always tries to find and suggest solutions for the problem, because he believes that is what she is looking for. His masculine mentality is faced to practicality and objectivity, so he wants always to help offering a solution.

Although, for the woman this attitude is a real disaster. “A woman under stress is not worried in finding immediate solutions for her problems, but she seeks relief expressing herself and longing to be understood. (…) Talking about all the possible problems without focusing in their solution, she feels better. Exploring her feelings in this process, she gains a bigger conscience of what is really bothering her, and then, suddenly she is no longer helpless.”[5]

To listen with empathy, that is what the woman needs in the most tenses moments. For that, the man should only listen without trying to fix any of the problems presented. Sayings like “wow, what a pity!”; “I imagine how hard it is”; “What a complicated situation!” are fundamental for the woman to feel really understood by the man. In case the man doesn’t know what to say, the best comment is “Hmm…”

After the woman is calmer telling her various problems (real or imaginary) and the man reacted with empathy hearing without providing the solutions, then he can give his oppion about the problem, in case its necessary, helping his wife to see what is real and what is the fruit of her fertile imagination.

In contact with the soul of the man, that is calm and weighted, the woman finds her balance and will be able to collect the elements that will serve as counterweight to the impulses of her imagination.

Being so, the husband should learn to enrich, with his balance, the soul of his wife, showing a tenderness that should be the most caring, comprehensive and receptive. In there the wife will have the complement she needs to improve herself, becoming healthy and balanced.

[1] Gn 2, 20-22

[2] “A dignidade da mulher” – Herança do Tabor 5, Palestras do Pe. José Kentenich proferidas no Brasil de 1948 a 1952, pg. 8, publicado pelas Irmãs de Maria de Schoenstatt – Centro Mariano, Santa Maria, 1995

[3] Idem pgs. 28-29

[4] Idem pg. 40

[5] Idem pg. 47

Photo credits to: photopin.com

Copyright 2014, Flávia Ghelardi

Share.

About Author

Flávia Ghelardi is the mom of four, a former lawyer already “promoted” to full time mom. Flávia published her first book FORTALECENDO SUA FAMÍLIA and is a member of Schoenstatt´s Apostolic Movement. Flávia loves to speak about motherhood and the important role of women, as desired by God, for our society. She blogs at www.fortalecendosuafamilia.blogspot.com.

2 Comments

Leave A Reply

Notify me of followup comments via e-mail. You can also subscribe without commenting.